Site do Ministério da Saúde do Brasil hackeado por hackers, alvo de dados de vacina

Esta parábola, tirada em 13 de maio de 2017, mostra um homem segurando um laptop enquanto o código cibernético é mostrado. REUTERS / Kacper Pempel / Arquivo de fotos

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado a reuters.com

Brasília, dez. 10 (Reuters) – O Ministério da Saúde do Brasil disse na sexta-feira que seu site foi atingido por um ataque de hacker, desativando várias organizações, incluindo uma usada para fornecer informações sobre o programa nacional de imunização e certificados de vacinação digital.

O governo adiou por uma semana a implementação de novos requisitos de saúde para viajantes que vêm ao Brasil devido ao ataque.

“O Ministério da Saúde disse que encontrou um incidente nas primeiras horas da manhã de sexta-feira que comprometeu temporariamente alguns de seus sistemas … eles não estão disponíveis no momento”, disse o órgão em um comunicado.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado a reuters.com

A polícia disse que estava investigando o ataque.

Os hackers, que se autodenominam Grupo Lapsus $, postaram uma mensagem no site alegando que os dados internos foram copiados e excluídos. Dizia explicitamente no ataque de ransomware: “Entre em contato se quiser recuperar dados”.

A mensagem, que continha e-mail e informações de contato do telegrama, foi removida na tarde de sexta-feira, mas o site ainda estava fora do ar, enquanto os dados do usuário eram perdidos no aplicativo ConectSUS, que emite certificados de vacinação para brasileiros.

O ministério disse que está trabalhando para restaurar sua estrutura. Em entrevista coletiva, o vice-ministro da Saúde, Rodrigo Cruz, disse que o acesso aos dados da vacina ainda não havia sido restaurado na noite de sexta-feira. Cruise disse que é muito cedo para dizer se os dados foram perdidos.

READ  Brasil multa a Apple em US $ 1,9 milhão por não adicionar carregador à caixa do iPhone 12

Pelas medidas decididas na terça-feira após a oposição do presidente Jair Bolzano ao uso do passaporte vacinado, os viajantes não vacinados que chegam ao Brasil devem ser isolados por cinco dias e fazer o teste de COVID-19.

A demanda deveria começar no sábado, mas o governo disse que seria adiada por uma semana, pois os dados da vacina não puderam ser acessados ​​online após o ataque.

Os formulários de rastreamento Covit-19 para os passageiros que chegam ainda estão no site do órgão regulador de saúde da Anvisa, que não é direcionado.

Inscreva-se agora para ter acesso gratuito e ilimitado a reuters.com

Relatório de Pedro Fonseca e Lisandra Paraguassu; Escrito por Gabriel Arrojo e Anthony Bodil; Edição de Jonathan Odyssey

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Portal On Jack