Líderes empresariais insistem que Brasil deve assumir a liderança ou ficar para trás no clima

Na floresta amazônica brasileira, a fumaça sobe

27 de setembro (Reuters) – Executivos de mais de 100 grandes empresas instaram o Brasil a assumir a liderança nas negociações climáticas da ONU em novembro, quando o desmatamento da floresta amazônica sob o presidente Jair Bolsanaro transformou o país em um desastre ecológico.

Líderes corporativos, geralmente CEOs de empresas brasileiras ou divisões brasileiras de corporações multinacionais, alertaram em uma declaração conjunta que o Brasil “pode ​​ser excluído de uma nova ordem econômico-climática que está surgindo diante de nossos olhos”.

Os signatários incluem líderes mundiais da empresa de comércio eletrônico Amazon (AMZN.O) e Shell Oil e a maior embaladora de recuperação do mundo JBS (JBSS3.SA) e fabricante de aeronaves Embraer (EMBR3.SA).

“O Brasil deve manter sua posição central nesse diálogo, ou isso causará um grande prejuízo ao setor manufatureiro e à sociedade brasileira”, disse o comunicado.

Ele pediu um acordo sobre as regras para os mercados globais de carbono, que foi aprovado pela última ONU.

A última reunião da ONU em 2019. Na Cúpula do Clima, os países não chegaram a um acordo sobre os mercados de carbono com Brasil, Austrália e outros países.

A carta também conclama o Brasil a agir para impedir a destruição ilegal da floresta amazônica.

O desmatamento e os incêndios aumentaram desde que Bolzano tomou posse na Amazônia brasileira em 2019, gerando protestos internacionais de que o presidente de direita não foi suficiente para evitar a catástrofe.

Em 2020, a cidade de Nova York terá um desmatamento de 12 anos com 14 vezes a área de desmatamento.

Em agosto, o ministro do Meio Ambiente, Joachim Pereira, sinalizou uma mudança na política, como a duplicação dos orçamentos para fiscalização do chumbo e a contratação de cerca de 700 funcionários da empresa ambientalista. consulte Mais informação

READ  Melhor Pote Hermetico Vidro: A melhor escolha para todos os orçamentos

Bolzano esteve na ONU na semana passada. Em discurso na Assembleia Geral, o Brasil se comprometeu a proteger e combater o desmatamento ilegal, mas disse que é duvidoso que os grupos ambientalistas estejam sinalizando uma mudança real no tom de compromisso da política. consulte Mais informação

Jake Spring Report; Edição de Angus Maxwan

Nossos padrões: Políticas da Fundação Thomson Reuters.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Portal On Jack