Desaparecimento de casal na Amazônia brasileira pode envolver ‘máfia do peixe’ | Notícia

Uma linha principal de investigação policial sobre o desaparecimento de um jornalista britânico e de um funcionário indígena na Amazônia aponta para uma rede internacional que paga pescadores pobres para pescar ilegalmente no segundo maior território indígena do Brasil, disseram autoridades.

O jornalista freelance Dom Phillips e o oficial indígena Bruno Pereira foram vistos pela última vez na manhã de 5 de junho perto da Terra Indígena do Vale do Javari, que fica em uma área do tamanho de Portugal embarcando no Peru e na Colômbia.

Os dois homens estavam na comunidade de São Rafael e voltavam de barco para a cidade vizinha de Atalaia do Norte, mas nunca chegaram. A polícia disse no sábado que ainda estava analisando matéria humana encontrada na área onde o casal desapareceu.

A polícia também está investigando um esquema de empresários locais, que pagam aos pescadores para entrar no Vale do Javari, pescar e entregar a eles.

Um dos alvos mais valiosos é o maior peixe de água doce com escamas do mundo, o pirarucu. Pesa até 200kg e pode chegar a 3m de comprimento. O pescado é vendido em cidades próximas, incluindo Leticia na Colômbia, Tabatinga no Brasil e Iquitos no Peru.

Polícia e equipes de resgate procuram de barco o jornalista britânico Dom Phillips e o especialista indígena Bruno Pereira, ambos desaparecidos enquanto faziam uma reportagem em uma parte remota e sem lei da floresta amazônica perto da fronteira com o Peru, em Atalaia do Norte, no estado do Amazonas, Brasil, em 11 de junho de 2022 [Bruno Kelly/Reuters]

Uma pesca ilegal no vasto Vale do Javari dura cerca de um mês, segundo Manoel Felipe, historiador e professor local que também atuou como vereador. Para cada incursão ilegal, um pescador ganha pelo menos US$ 3.000.

“Os financiadores dos pescadores são colombianos”, disse Felipe.

“Em Letícia, todo mundo ficou bravo com Bruno [Pereira]. Este não é um pequeno jogo. É possível que tenham enviado um pistoleiro para matá-lo.”

‘Briga pessoal’

O único suspeito conhecido dos desaparecimentos é o pescador Amarildo da Costa de Oliveira, também conhecido como Pelado, que está preso.

READ  O que causou a disseminação da primeira febre amarela no Brasil em 80 anos?

Ele nega qualquer irregularidade e disse que a polícia militar o torturou para tentar obter uma confissão, disse sua família à Associated Press.

Segundo relatos de indígenas que estavam com Pereira e Phillips, o pescador havia brandido um fuzil contra a dupla um dia antes do desaparecimento.

Pereira, que anteriormente liderou o escritório local da agência indígena do governo, conhecida como FUNAI (Fundação Nacional do Índio), participou de várias operações contra a pesca ilegal.

Nessas operações, via de regra, as artes de pesca são apreendidas ou destruídas, enquanto os pescadores são multados e detidos brevemente, pois somente os indígenas podem pescar legalmente em seus territórios.

O funcionário da FUNAI Maxciel Pereira dos Santos foi morto a tiros em 2019 na frente de sua esposa e nora. Três anos depois, o crime continua sem solução. Seus colegas da Funai disseram à AP que acreditam que o crime está ligado ao seu trabalho contra pescadores e caçadores furtivos.

“O motivo do crime é uma briga pessoal pela fiscalização da pesca”, especulou aos repórteres o prefeito de Atalaia do Norte, Denis Paiva, sobre os desaparecimentos sem dar mais detalhes.

Enquanto alguns policiais, o prefeito e outros da região associam os desaparecimentos da dupla a uma “máfia do peixe”, a Polícia Federal não descarta outras linhas de investigação. A área tem forte atividade de narcotráfico.

Soldados brasileiros realizam uma operação de busca pelo jornalista britânico Dom Phillips e pelo especialista indígena Bruno Pereira
O único suspeito conhecido dos desaparecimentos é o pescador Amarildo da Costa de Oliveira, que está preso [Bruno Kelly/Reuters]

O pescador Laurimar Alves Lopes, 45 anos, que mora às margens do rio Itaquaí, onde a dupla desapareceu, disse à AP que desistiu de pescar ilegalmente dentro do território indígena após ser detido três vezes. Ele disse que foi levado para a sede local da Polícia Federal em Tabatinga, onde foi espancado e deixado sem comida.

READ  Melhor yugioh deck: A melhor escolha para todos os orçamentos

“Cometi muitos erros, roubei muito peixe… Mas aí eu disse: vou acabar com isso, vou plantar”, disse em entrevista em seu barco.

Monica Yanakiew, da Al Jazeera, relatando uma vigília realizada para os dois desaparecidos no Rio de Janeiro, disse que a sogra de Phillips, que estava no evento, disse que “não tinha esperança de que eles fossem encontrados vivos”, embora o a busca estava em andamento com “todas as mãos no convés”, incluindo jornalistas que se juntaram ao esforço para encontrar os homens desaparecidos.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

DETRASDELANOTICIA.COM.DO PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
Portal On Jack