Brasil e Suécia iniciam fase de entrega do Griben e

Uma reunião de alto escalão com autoridades brasileiras e suecas foi realizada na quarta-feira, 24, para o lançamento das seis primeiras aeronaves Gripen E da série em Chapin, que deixou a fábrica para iniciar a fase de distribuição.

Estiveram presentes o Comandante da Força Aérea Brasileira, General Carlos de Almeida Baptista Jr .; Gen Brig Carl-Johann Edstrom, comandante da Força Aérea Sueca; Michael Johansson, presidente e CEO da Chapin; E Jonas Helm, vice-presidente sênior e chefe da divisão de negócios da Chapin Aeronautics.

“Essas entregas são uma parte importante do fortalecimento de nossas capacidades e da segurança da Suécia. O JAS 39 E Gripen aumentará as capacidades defensivas da Suécia e nos capacitará a construir uma força aérea forte e estrategicamente superior em todas as situações”, disse o General Carl-Johann Esther , Comandante da Força Aérea Sueca.

“É um prazer acompanhar o F-39 Gripen mais um passo no processo de entrega, o que levará à evolução da capacidade de combate da Força Aérea Brasileira. Disse Baptista Jr ..

Michael Johansson, presidente e CEO da Saab, disse: “O lançamento de uma série de quatro aeronaves para a Força Aérea Brasileira e duas aeronaves para a Força Aérea Sueca é um marco significativo para o projeto do Gripen, provando que temos um produto maduro e estamos cumprindo nossas obrigações contratuais.

As aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB4101, FAB4102, FAB4103 e FAB4104) chegarão ao Brasil por via marítima no porto de Navegantes em meados de dezembro, de onde serão rebocadas ao aeroporto para voar para o interior até Gavião Peixoto. Nossa parceira de mídia no Brasil, no estado de São Paulo, foi informada pela Aeroin. Após a fase de disparo, as quatro aeronaves ficarão baseadas em Anápolis, Goaz, sede da 1ª Equipe de Defesa Aérea da FAB. No total, o Brasil encomendou a entrega de 36 caças Griben até 2024.

READ  O ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva foi autorizado a concorrer nas eleições de 2022.

Parte dos motivos que levaram o Brasil a escolher o modelo sueco em detrimento de outros fabricantes foi a transferência técnica e cooperação industrial para o desenvolvimento e produção da aeronave. Cerca de 350 brasileiros (incluindo engenheiros e técnicos) estão trabalhando ativamente em um programa de transferência de tecnologia que inclui treinamento na Suécia. Em 2016, foi inaugurado em São Paulo o Centro de Projetos e Desenvolvimento Griffin, onde profissionais dos dois países trabalham juntos.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Portal On Jack