Prefeitos da Amures recepcionam ministro da Integração Nacional nesta segunda

0

Os 18 prefeitos da Amures comparecerão em peso na manhã desta segunda-feira (12), na recepção ao ministro da Integração Nacional Helder Barbalho, no aeroporto de Lages. O governador Raimundo Colombo também acompanha o ministro e comitiva desde Florianópolis.

Integram a comitiva além do ministro Helder Barbalho e do governador Colombo no mesmo voo, o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário Osmar Terra, o senador Dário Berger, deputado federal Mauro Mariani e o deputado federal Rogério Peninha.

Em outra aeronave estarão o secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil, Cel. Newton, o Secretário de Infraestrutura Hídrica Antônio de Pádua, o Secretário de Desenvolvimento Regional, Marlon Cambraia, o Assessor Parlamentar Silvio Arthur Pereira, Secretário de Estado da Defesa Civil (SC), Rodrigo Moratelli e jornalista.

A chegada em Lages está prevista para às 8h15min. Em seguida haverá um sobrevoo em helicóptero, nas áreas atingidas pelas chuvas na cidade. As 9h15min o ministro e comitiva retornam à Florianópolis.

 

Pedido de ajuda da Amures e da deputada Carmen Zanotto

 

A passagem do ministro da Integração Nacional Helder Barbalho, por Lages, será breve. Mas suficiente para que o presidente da Amures prefeito de Otacílio Costa Luiz Carlos Xavier e a deputada federal Carmen Zanotto entreguem um ofício solicitando ajuda para recuperação dos estragos causados pelas chuvas nos 13 municípios que decretaram situação de emergência.

O documento aponta que a Serra Catarinense foi duramente castigada pelas intempéries das últimas semanas, com fortes chuvas acompanhadas de ventos de mesma intensidade e que resultaram em danos e prejuízos que não são superáveis ou suportáveis pela estrutura financeira ou de equipamentos dos municípios.

Indica que foram registrados desastres naturais que resultaram em famílias desabrigadas, desalojadas, ilhadas e comunidades inteiras isoladas devido a destruição e interdição de vias municipais, estaduais, federais.

Pontes, bueiros, queda de vegetação, deslizamentos de pistas, quedas de barreiras e eventos adversos naturais que deixaram um cenário vulnerável obrigando os prefeitos a decisões históricas.

Como antecipar férias escolares de meio de ano por falta de escolas que ficaram embaixo d’água, unidades de saúde sem atendimento e transporte escolar interrompido por falta de segurança e trafegabilidade nas vias.

Os prefeitos e a parlamentar pedirão ao ministro ajuda humanitária e ou recursos financeiros para restabelecer a situação de normalidade, uma vez que na Serra Catarinense o inverno é muito rigoroso e centenas de famílias encontram-se em situação de extrema vulnerabilidade.